quarta-feira, 8 de junho de 2016

Parlamentar defende igualdade salarial entre japoneses e estrangeiros

“A escassez de trabalhadores será um problema muito sério no Japão”, disse Yoshio Kimura
Yoshio Kimura

A desigualdade salarial entre trabalhadores japoneses e estrangeiros será um dos temas debatidos por uma comissão especial do PLD (Partido Liberal Democrata) que irá propor um pacote de mudanças na polêmica política de imigração do Japão.

O parlamentar Yoshio Kimura, presidente da comissão e companheiro de partido do primeiro-ministro Shinzo Abe, disse em entrevista ao jornal The Japan Times que na proposta está incluída a introdução de políticas para garantir a igualdade salarial entre japoneses e estrangeiros que ocupam a mesma função, como forma de proporcionar um ambiente mais favorável à vinda de estrangeiros.

“Com o Japão esperando uma queda na população, a escassez de trabalhadores será um problema muito sério”, disse Kimura ao JT. “Os trabalhadores estrangeiros são essenciais para manter a economia funcionando, já que as políticas econômicas de incentivos fiscais já chegaram ao limite. É nossa última chance", completou.

Na visão de Kimura, o Japão precisa de uma mudança drástica na política de imigração para acolher os estrangeiros de braços abertos. “Eles vão gastar, contribuir para a previdência e começarão a tomar gosto pelo Japão”, afirmou.

Seus colegas de partido, incluindo o primeiro-ministro, não compartilham da mesma visão. “Não estamos considerando aceitar mais imigrantes”, disse Abe recentemente quando perguntado sobre o tema.

A fala do primeiro-ministro vai ao encontro do pensamento da maioria dos eleitores, que temem que um aumento do número de estrangeiros no país poderia elevar a criminalidade e ameaçar os salários dos japoneses.

A comissão presidida pelo parlamentar irá estudar formas de garantir fontes de trabalho para estrangeiros sem qualificação profissional, principalmente em áreas de grande demanda, como cuidados de enfermagem, construção e agricultura.

Uma das propostas é incentivar a estabilização desse tipo de trabalhador estrangeiro através da concessão de um visto de trabalho de 5 anos com a possibilidade de renovação. Na proposta, pessoas de qualquer nacionalidade poderiam se candidatar a uma vaga desde que preenchessem os requisitos.

No censo de 2014, o Japão tinha 2,1 milhões de estrangeiros, ou cerca de 1,3% da população, incluindo 500 mil coreanos étnicos, muitos deles nascidos e criados no Japão.

A previsão é de que a população japonesa fique abaixo dos 100 milhões, em 2048, e diminua ainda mais, para 87 milhões, em 2060, quando 40% das pessoas terão mais de 65 anos.
Fonte: Alternativa

Um comentário:

Deilson Rodrigues disse...

Como que vai crescer a criminalidade se os estrangeiros sabe do poder político que exerce no Japão, o principal é dá á esse estrangeiros um preliminar conforto e segurança para trabalharem. E é claro que eles fiquem ciente da lei trabalhista que regem no Japão.